quinta-feira, 17 de abril de 2008

Aquários plantados ou aquários com plantas?

Afinal, existe diferença ou é apenas um joguinho de palavras? Vamos analisar as coisas como elas são?

Para muitas pessoas ter plantas em aquários significa colocar plantas, ou seja, compre um tufo qualquer de "mato" e enterre-as nas pedrinhas. O que acontece na sequência? As plantas fica balançando ao sabor do movimento da água pelo tempo em que possuem reserva de vida para depois irem amarelando e perdendo as folhas, para finalmente "melarem" e morrerem. Como são baratas(na feira é claro...rs)é só esperar a próxima feira e comprar de novo....simples né...rsrs.

Um passo adiante nos levam aos que tentam mantê-las com até certo cuidado, mas sem o conhecimento necessário para que realizem seu processo alimentar básico que é a fotosíntese.

Gosto da idéia de dividir esta temática em três grandes grupos: aquários holandês ou "optimum aquarium", jardim japonês ou "nature aquarium" e finalmente os generalistas que mesclam elementos dos dois estilos.


- Aquário holandês ou "optimum aquarium":

Chegou ao Brasil ainda em meados da década de 80 e obteve de imediato grande aceitação por parte da nata aquariofilistíca da época. Neste conceito as plantas são agrupadas de tal forma que formem um jardim(pesquisem sobre os jardins do palácio de Versailles)com elementos e cores cuidadosamente arranjados dando a impressão de assimetria e/ou simetria.
Na época mesmo com grande aceitação não nos era possível manter algumas plantas mais exigente pela simples razão de desconhecermos o que era "substrato fértil", iluminação correta, demanda de gás carbônico e relação GH/KH/pH ideal. Resultado? Muitos perceberam que não era mole ter plantas como nas fotos de especialistas europeus.


- Jardim japonês ou "nature aquarium":

Após a grande onda paisagística de 1980 e seu naufrágio, tudo ficou em estado de semi-dormência até meados de 1995 qdo com o advento da internet chega ao Brasil as primeiras fotos de impressioantes jardins submersos feitos no Japão por um tal de Takashi Amano.

O estilo era completamente diferente do europeu, pois ao contrário deste, valoriza-se a semelhança com a natureza pela arranjo mais ordenado e natural. Termos como "proporção de ouro", "dos terços", "triângulo", etc, foram sendo gradativamente aprendidos e difundidos.

Também junto com este estilo chegaram muitas informações sobre substrato fértil, iluminação ideal, novas espécies de plantas, equipamentos.

- Aquários plantados generalistas:

Sem sombras de dúvida este "estilo" é de longe o que agrupa o maior número de aficcionados simplesmente pela liberdade de não ter estilo algum. Embora não seja exatamente um estilo, a maioria dos praticantes obtêm impressionantes resultados estéticos. É a soma de muita pesquisa e informação com facilidade de acesso aos insumos necessários para a manutenção de uma grande variedade de plantas.

Claro que se vc chegou até aqui e não dormiu é pq de alguma forma gosta do asunto! E também percebeu que o nível de informações é escasso. Explico: não sou um Rony Suzuki, muito menos um Alex kawasaki ou André Longarço - logo não posso sugerir algo que não domino, né.

Simples assim!

Este texto é apenas uma "encheção de linguiça"...rsrs.

Um comentário:

Don Saulo disse...

eu lí essa encheçã até o final...rsssssssssss